fbpx
Rio de Janeiro/Brasil
+55 (21) 99991-3099
contato@leofarias.com

Após um ano, brasileiro Léo Santos volta ao octógono do UFC em julho

Leo Farias Photos

Após um ano, brasileiro Léo Santos volta ao octógono do UFC em julho

Por: Combate Extra em 22/06/20 22:36

Campeão da segunda temporada do The Ultimate Fighter Brasil, o carioca Leonardo Santos retorna ao octógono do UFC no próximo mês após mais de um ano sem lutar. Ele está confirmado no UFC 251, em Abu Dhabi (Emirados Árabes), no dia 12 de julho. Seu adversário será o estreante russo Roman Bogatov, de 29 anos, que está invicto na carreira no MMA. O combate é válido pela categoria peso-leve (até 70 kg).

Leo Santos não luta desde o dia 1º de julho de 2019, quando nocauteou o norte-americano Steve Ray no primeiro round, em evento realizado em Estocolmo (Suécia). O combate marcou o retorno do veterano carioca de 40 anos ao octógono depois de um hiato de três anos, tendo algumas lutas canceladas nesse período.

Contratado pelo Ultimate em 2013 após derrotar William “Patolino” Macário na decisão do principal reality show do UFC, Leo Santos mantém um cartel intacto na maior organização de MMA do planeta desde então. Em 7 lutas, foram 6 vitórias e apena um empate (contra Norman Parke, em 2014).

Com uma carreira de profissional de duas décadas, Leo Santos possui 17 vitórias em 21 combates, tendo sido derrotado apenas três vezes. O último revés aconteceu em 2009, no World Victory Road Presents: Sengoku 8, contra o japonês Kazunori Yokota.

No TUF, em 2013, ele chegou a ser derrotado pelo argentino Santiago Ponzinibbio na semifinal, mas o duelo não é considerado uma luta oficial. Apesar disso, ele ganhou uma nova chance de disputar a final por conta de uma lesão do lutador da Argentina.

Além do notório cartel no MMA, Leo Santos é quatro vezes campeão mundial de jiu-jitsu, sua especialidade. Ele conquistou o primeiro lugar em quatro oportunidades seguidas (de 2002 a 2005).

Arte: Léo Farias – @leofariasphotos

Card repleto de brasileiros

O UFC 251 marca a estreia da chamada “Ilha da Luta”, uma solução encontrada pelo UFC para sediar seus eventos e receber atletas do mundo todo durante a pandemia. E o card está cheio de brasileiros, inclusive com cinturões em jogo.

O combate principal da noite terá a disputa do cinturão meio-médio entre o também carioca Gilbert Burns, o “Durinho”, e o campeão Kamaru Usman. O lutador nigeriano é apontado como favorito, mas o brasileiro vem em um ótimo momento e pode surpreender. Conforme dados levantados pelo portal Sites de Apostas , referência em estatísticas esportivas, “Durinho” tem 100% de aproveitamento atuando na divisão dos meio-médios. São quatro vitórias em quatro lutas, a mais notória dela contra o ex-campeão Tyron Woodley , no fim de maio.

Quem também terá uma chance de sair dos Emirados Árabes com um cinturão do UFC é José Aldo. Ex-campeão da divisão dos penas, o manauara agora tenta a sorte da categoria de baixo, dos galos. O título ficou vago desde que Henry Cejudo anunciou sua aposentadoria após derrotar Dominick Cruz no mês passado. A missão de Aldo, no entanto, não será nada fácil: ele terá pela frente o russo Petr Yan, que está invicto desde que assinou com o UFC, em 2018: são seis vitórias em seis lutas.

O card também contará com um duelo de ex-campeãs do peso-palha feminino: a brasileira Jéssica Andrade, a “Bate-Estaca” e a norte-americana Rose Namajunas. O confronto é uma revanche, já que Jéssica derrotou a rival com um nocaute em 2019 e tomou o cinturão de Rose. A paranaense tenta se recuperar da derrota para a chinesa Weili Zhang que lhe custou o título do UFC.

Completam o esquadrão brasileiro em Abu Dhabi mais cinco lutadores: Amanda Ribas (contra Paige VanZant), Elizeu “Capoeira” (contra Muslim Salikhov), Raulian Paiva (contra Zhalgas Zhumagulov), Karol Rosa e Vanessa Melo (as duas se enfrentam).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *